Os portugueses são mais ativos online que a média europeia

 

O Observador Cetelem Consumo 2018 executou uma pesquisa para compreender como os consumidores de Portugal comportam-se e utilizam as redes sociais para se manterem informados sobre as suas marcas favoritas. Os portugueses com até 35 anos representam 77% das pessoas que seguem pelo menos uma marca de sua preferência – em relação à média europeia este número representa uma média 22% mais alta. Ainda, 57% dos adultos com mais de 35 anos afirmam ter este posicionamento e é, também, uma média elevada em relação à europeia que soma 39%.
A pesquisa afirma, ainda, que a principal razão está na curiosidade dos seguidores nas atividades das marcas de sua preferência e de acharem os conteúdos interessantes. 57% dos entrevistados portugueses afirmam já ter assistido vídeos de alguma loja nas redes socias, este número decai para 37% em contexto europeu. Neste mesmo tópico, 67% dos jovens adultos portugueses dizem interessarem-se por conteúdo audiovisual das suas marcas, número 18% mais alto que dos seus pares no resto do continente.
Outros dados relevantes que a pesquisa Cetelem divulgou estão no quão ativos são os usuários das redes sociais em relação às páginas das marcas. 36% destas pessoas já fizeram perguntas online a um comerciante e 29% já estiverem em algum fórum de discussão. Neste sentido, os portugueses são ultrapassados apenas pelos italianos, que representam 47% e 28% destas práticas, respetivamente.
As gerações antecedentes aos millennials portugueses são mais conservadores em contatar marcas nas redes sociais. Ainda sim, mantém-se a frente da média europeia. Enquanto a média de europeus que já fizeram perguntas online é de 25% a dos portugueses é de 35%.
A compra de um produto ou serviço encontra-se em último lugar entre as razões para a interação com as lojas e marcas através das redes sociais. Ainda assim, em média 38% dos Millennials europeus afirmam já ter feito uma aquisição, face a 31% dos jovens portugueses. Em contraponto, apenas 19% dos europeus e 22% dos portugueses que têm mais de 35 dizem ter realizado uma aquisição via redes sociais.